Notícias da Literatura Angolana

Luandino Vieira compara arte da literatura a jardinagem e pastoreio

O escritor angolano José Luandino Vieira comparou há dias, em Lisboa, a literatura, uma arte que pratica por lhe ser "vital", enquanto expressão da criatividade humana, com a jardinagem e o pastoreio, "outras artes" que também pratica.

"O modo como encaro a literatura é vital para a minha pessoa, por ser uma expressão da criatividade humana. Só por esse motivo a vou praticando, como pratico outras artes: a da jardinagem, a do pastoreio com animais, por exemplo", afirmou o escritor, na sessão de lançamento dos seus dois últimos livros.

Após décadas de silêncio, o vencedor do Prémio Camões 2006 - distinção que recusou "por razões pessoais e íntimas" - publicou agora "De Rios Velhos e Guerrilheiros - O Livro dos Rios", o primeiro volume de uma trilogia, que classificou como "um livro exclusivamente literário", e "A Guerra dos Fazedores de Chuva com os Caçadores de Nuvens - Guerra para Crianças", ambos com a chancela da editorial Caminho.

Depois de afirmar que tem "falado demasiado" nos últimos dias, Luandino Vieira agradeceu aos amigos presentes e salientou que "mais importante que a literatura é a questão da cidadania, como hoje se diz", referida pelo seu editor, Zeferino Coelho, na apresentação do romance, narrado por um guerrilheiro que percorre o rio angolano Kwanza.

"Algo que é, para mim, mais importante que a literatura (...) é a questão da minha participação no movimento de libertação da nossa terra, de Angola", frisou.

"Queria dizer que não fiz nada de especial e que apenas participei, como era dever de todos os que tivessem um pouco de consciência. Não precisavam de ter formação política ou formação de qualquer outra natureza, [foi] por uma simples questão de consciência", insistiu.

Luandino Vieira, de 71 anos, considera que se limitou a seguir "exactamente" o caminho da juventude do seu tempo que, "de uma maneira ou de outra, até pelo silêncio e pela omissão, colaborou nesse grande movimento de libertação que acabou por dar o resultado desejado, a independência política do território".

"Fiz apenas o que devia ter feito quando tive a felicidade de estar vivo num momento histórico em que o podia fazer, mais nada. Orgulho-me muito disso mas não faço disto mais do que a tranqüilidade de ter cumprido o meu dever", rematou.

Nascido em Portugal, na Lagoa do Furadouro, a 4 de Maio de 1935, José Luandino Vieira é cidadão angolano pela sua participação no movimento de libertação nacional e contribuição para o nascimento da República Popular de Angola. Durante a infância e a juventude, viveu em Luanda, onde frequentou e concluiu o ensino secundário.

Teve diversas profissões até ser preso, em 1959, no âmbito do "Processo dos 50", foi depois libertado e em seguida, em 1961, novamente preso e condenado a 14 anos de prisão, como medida de segurança. Em 1954, transferiram-no para o Campo de Concentração do Tarrafal, onde passou oito anos, e foi libertado em 1972, tendo sido colocado em regime de residência vigiada, em Lisboa. Começou nessa altura a publicar a sua obra, quase toda escrita nas várias prisões por onde passou.

Depois da independência de Angola, foi nomeado para chefiar a Televisão Popular de Angola, que organizou e dirigiu entre 1975 e 1978, para o Departamento de Orientação Revolucionária (DOR) do MPLA, que dirigiu até 1979 e para o Instituto Angolano de Cinema (IAC) que chefiou entre 1979 e 1984.

Membro fundador da União dos Escritores Angolanos, exerceu a função de secretário-geral deste organismo, desde a sua fundação, ocorrido à 10 de Dezembro de 1975, até Dezembro de 1980.

Foi secretário-geral adjunto da Associação dos Escritores Afro-Asiáticos, entre 1979 e 1984, e novamente secretário-geral da União dos Escritores Angolanos, entre 1985 e 1992.

Após o fracasso das primeiras eleições angolanas, em 1992, e o recrudescimento da guerra civil, Luandino Vieira abandonou a vida pública, passando a dedicar-se exclusivamente à literatura.
Fonte: Jornal de Angola
Acessado em 27/12/06, pela manhã


 
l