DIÁLOGO (08/04/1999)

Praquela que não quer ser meu Sol, mas que mesmo assim, me aquece e me ilumina...


— Vem sol, nos ilumina com teu lume!
— O seu é bem maior que o da chama.
— Você, apaixonado, é quem proclama...
— Você, envergonhada, não assume.

— É minha a luz que vence o negrume?
Não vês que é a do sol que ao céu se inflama?
— Pois digo-te, és o Sol, ó minha ama!
— Espero desta feita estar impune...

— Mas qual a pena hão de aplicar-te?
Se brilhas muito mais do que o sol?
Não há tal pena, és a minha Arte.

— Vá bem, meu doce encanto, eu me entrego...
Eu brilho mais que a estrela em arrebol
Às vezes, ser o sol faz bem ao ego!

 
l