SETE SONETOS: A

(atendendo a pedidos, asaushuasa)

A nívea tez amada envolvia
O céu tão desmedido e nu ainda
Sem sol, mas revelando a triste e linda
Manhã, princípio azul de mais um dia

Se surge o grande astro, a sua vinda
Não supre a presença que já havia
Tornando-se a estrela parca e fria
E o brilho desse sol cala e se finda

Não há maior encanto que suplante
Aquela que os dias meus aquece
Com seu calor canoro e ofegante

Com a tua voz que cala e me ensurdece
Aquela que no oitavo céu de Dante
Habita, mas não ouve a minha prece.

1 comment

2 de setembro de 2009 18:12

Oooi! Eu não sabia em qual blog comentar, aí vim nesse, haha. Antes de tudo, muito muito MUITO obrigada pelas palavras doces! No blog, no skoob, em tudo! Eu sempre acho que sou uma merda tentando sair da privada mas quando vem gente com uma puta experiência literária que nem você (pelo menos pelo que eu pude perceber, haha) e me elogia, eu fico feito criança com doce na mão: toooda contente! HAHAHA. E eu nem preciso falar dos seus textos né? Gostei de todos os que eu li daqui e do "Cacos de Dentro", e o seu site, Literatura é Show, é ótimo! Eu sou uma daquelas bem apaixonadas por literatura, então gostei bastante dele. Tô me deliciando lendo! Já tinha entrado antes, e entrei mais vezes, tá de parabéns mesmo!

Um beijo enorme! :*
Bruna Uliana.

Reply
Postar um comentário
 
l