POSTAGEM 73: Leia, na íntegra, o primeiro exemplar da Revista Klaxon, de 1922

A KLAXON - Mensário de Arte Moderna - foi a primeira revista Modernista do Brasil e começou a circular logo após a realização da Semana de Arte Moderna. O primeiro, dos seus nove números, foi publicado em 15 de maio de 1922 e o último, (edição dupla, de números 8 e 9) em janeiro de 1923.

A palavra Klaxon, segundo o Dicionário Aurélio, é de origem inglesa e seu significado é "Buzina de Automóvel". Por isso e por estar sempre aberta à experimentação, pode-se dizer que a Klaxon anunciava, de forma barulhenta, as novidades do mundo moderno.

"É uma buzina literária, fonfonando, nas avenidas ruidosas da Arte Nova, o advento da falange galharda dos vanguardistas".

Menotti del Picchia


A revista Klaxon inovou em vários sentidos:

* Sua organização era muito diferente da dos jornais e revistas da época, pois não tinha diretor, redator-chefe, secretário etc. Ela era uma espécie de órgão coletivo, onde todos participam das diversas fases da sua produção

* O seu projeto gráfico era inovador;

* Conteúdo bem diversificado. Nela eram publicados artigos e poemas de autores nacionais como Manuel Bandeira e Sérgio Milliet e também de autores franceses, italianos e espanhóis, todos em suas línguas originais.

* Além disso, também eram publicados ensaios, crônicas, críticas de arte, piadas, gravuras e anúncios sérios como os da "Lacta", que contrastavam com anúncios satíricos como os da "Panthosopho, e Pateromnium & Cia", uma empresa que fabricava sonetos.

É óbvio que fabricar sonetos só pode ser uma sátira direta aos poetas Parnasianos. Afinal eram eles que cultivavam uma poesia de notável perfeição formal. Essa obsessão pela forma era tanta, e para os Modernistas, uma coisa tão absurda, que eles comparavam os poemas Parnasianos a objetos produzidos por uma fábrica, ou seja, todos iguais.

Os principais colaboradores da Klaxon foram:


Guilherme de Almeida, Mário de Andrade e Oswald de Andrade, Rubens Borba de Moraes, Luís Aranha, Sérgio Milliet. A revista também tinha correspondentes no Rio de Janeiro (Sérgio Buarque de Holanda), Suíça, França e Bélgica.

O edital do primeiro número da revista Klaxon, assinado por vários colaboradores, afirmava os caminhos que os modernistas pretendiam seguir.

A revista Klaxon sobrevivia sem receber qualquer espécie de auxílio concedido pelos poderes públicos e sem a venda de assinaturas. O principal motivo da sua desativação foi o fato de a revista não mais fascinar nem divertir seus componentes.

Fonte: http://www.mundocultural.com.br/

Abaixo, você pode ler o primeiro número da Klaxon na íntegra. Para ler os demais, entre no site Brasiliana USP (usado também como fonte para esta postagem) clicando aqui.
Para ler os outros 7 exemplares publicados, clique aqui.

 
l