Siga @millorfernandes e veja a literatura sendo criada em tempo real, ainda suja de placenta

Hoje quero dar uma sugestão de leitura diferente. Uma sugestão que não está no gibi, nem no livro, nem em revistas ou jornais, e sim aqui na internet. Mais propriamente, no Twitter. A Revista Época desta semana traz uma longa matéria (com direito a capa!) sobre as redes sociais no Brasil, analisando se realmente vale a pena fazer parte delas. Quero, modestamente, dar minha contribuição sobre o assunto.

Na minha opinião, sim, vale a pena. É claro que (como tudo nesta vida) com moderação. E o que mais chama a atenção do grande público, especificamente no Twitter, é a possibilidade de seguir seus ídolos e ver o lado “real” dessas grandes celebridades. Eu, particularmente, já deixei de gostar de algumas pessoas depois de conhecê-las mais de perto. Mas encontrei também muita gente boa, e me encantei mais e mais com alguns que eu já conhecia. E entre estas últimas, está Millôr Fernandes.

Eu já conhecia o Millôr do Pasquim, o das “Fábulas fabulosas”, o Millôr da Revista Veja, o dos jornais, o das charges incríveis ("Jovem, cumpra seu dever! A corrupção precisa de você!”) e muitos outros “Millôres” dos quais não consigo me lembrar. E agora, ando encantadíssimo com o Millôr Fernandes do Twitter. Sugestão do Faustão (quem disse que não existe algo de útil na TV de domingo à tarde?).

Sempre que aparece em minha página um tweet do @millorfernades vou logo correndo pra ler. E me sinto próximo de uma Literatura que acabou de nascer. Que ainda está suja de placenta poética. São reflexões, aforismos, grandes sacadas que futuramente poderão ser compiladas numa espécie de “Antologia Tweetica de Millôr Fernandes”. E mesmo que em alguns momentos as sacadas não sejam tão geniais (o que evidentemente pode acontecer) creio que já vale a pena acompanhá-las. Até porque (pensando nessa “antologia”) quem de nós não tem curiosidade em ler o que os autores NÃO publicam?

Fica aqui a sugestão. Que meus alunos e leitores possam, como eu, aprender um pouco mais sobre a vida com esse grande nome das nossas artes. Se você tem um perfil no Twitter, dê um “follow” em @millorfernades. Se não tem, faça! E comece seguindo esse grande cara. Vale a pena!

Gostou deste espaço? Deixe seu comentário, crítica, sugestão... E volte sempre!
Para visualizar o perfil de Millôr Fernandes do Twitter, clique aqui.

Para visitar o site oficial de Millôr, clique aqui.

Para ler a biografia de Millôr Fernandes do site Releituras, clique aqui.

Para acessar a versão eletrônica da coluna “O Pif-Paf” na revista “O cruzeiro”, clique aqui.

Gostou deste espaço? Deixe seu comentário, crítica, sugestão... E volte sempre!

 
l