POSTAGEM 41: As gerações românticas no ENEM

Olá internauta. Faltam 59 dias para o ENEM e esta é a nossa postagem de número 41. Hoje vamos resolver e comentar dois exercícios sobre o Romantismo. Observe:

QUESTÃO 01 Analise a tira apresentada para responder a questão a seguir.

A referência ao escritor maldito, presente no último quadrinho, pode ser relacionada a um período literário que, da Alemanha e da França, no século XIX, espalhou-se por todo o ocidente, tendo representado no Brasil o fim da literatura colonial e o início do período nacional da nossa literatura. Assinale a alternativa em que se encontram o nome desse estilo de época e o de um de seus mais significativos autores no Brasil.

a) Barroco, levando-se em conta, principalmente, os textos conceptistas do Padre Antonio Vieira.
b) Romantismo, sobretudo se forem considerados os autores da poesia do mal do século, por exemplo, Álvares de Azevedo.
c) Naturalismo, na medida em que se considera o uso, na literatura, do determinismo ambiental para caracterizar ambientes decadentes descritos nas obras de autores como Aluisio Azevedo.
d) Parnasianismo, pois foi um movimento rechaçado pelos modernistas que o consideravam alienado e por demais preso aos rigores técnicos da poesia clássica.
e) Modernismo, movimento que rompia com o passado artístico e pregava a liberdade total de expressão, como se pode observar na obra de Oswald de Andrade.

GABARITO: B
COMENTÁRIO DO LÉS!: O exercício já era fácil. E numa postagem sobre o Romantismo esntão, ele fica óbvio. Mas serve para analisarmos como o assunto pode ser cobrado no ENEM. Algumas expressões da tirinha remontam à 2ª geração da poesia romântica. São elas: "escritor maldito", "escrever para não morrer" e "bílis", que pode ser relacionada ao spleen.

QUESTÃO 02 Os dois fragmentos abaixo foram retirados do poema “Navio negreiro”, de Castro Alves, procure lê-los, para depois marcar o item incorreto :
[...]
Castro Alves
Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vos, Senhor Deus!
Se e loucura... se e verdade
Tanto horror perante os céus?!
Ó mar, por que não apagas
Co’a esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!
[...]

Existe um povo que a bandeira empresta
P’ra cobrir tanta infâmia e cobardia!...
E deixa-a transformar-se nessa festa
Em manto impuro de bacante fria!...
Meu Deus! meu Deus! mas que bandeira e esta,
Que impudente na gávea tripudia?
Silencio. Musa... chora, e chora tanto
Que o pavilhão se lave no teu pranto!...
[...]


a) Na primeira parte acima, o poeta lança mão de um procedimento estilístico, a apóstrofe, com o claro intuito de aumentar o tom retórico (grandioso) desse poema épico.
b) O borrão citado no primeiro trecho, sem sombra de dúvidas, pode ser associado, ao terrível processo da escravidão, isto é, borrão e o navio negreiro deslizando nas águas do mar.
c) No trecho dois, há um sentimento de repúdio (aversão) aos portugueses, principais motivadores da escravidão do negro na plaga brasileira (“Existe um povo que a bandeira empresta”).
d) Ao final do trecho, o poeta evoca a musa (poesia) a “chorar”, isto é, denunciar as mazelas da colonização, com isso o seu pranto (lamento crítico) teria o poder de acordar uma consciência sobre a vergonha da escravidão (“Que o pavilhão se lave no teu pranto”).
e) O tom grandiloquente da poética castroalvina é coerente com a proposta da terceira geração do Romantismo, chamada de condoreira. Tal como Victor Hugo na França, essa geração colocou sua voz a serviço da luta pela liberdade e, portanto, combatendo a opressão.

GABARITO: C
COMENTÁRIO DO LÉS: No referio trecho de seu poema, Castro Alves não critica os portugueses e sim os brasileiros que emprestam seu pendão auriverde (a bandeira brasileira) para cobrir tanta infâmia e covardia trazida pela escravidão. Ou seja: para justificar a grandeza do Brasil, os poderosos encondiam a escravidão atrás do espítito de nacionalidade.

OBSERVAÇÃO: Não perca, na postagem de domingo, dia 28/08, um pouco de teoria sobre essas duas gerações românticas...


 
l