POSTAGEM 48: "... naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa"

Olá internauta. Faltam 52 dias para o ENEM e esta é a nossa postagem de número 48. Hoje vamos resolver e comentar alguns exercícios sobre as escolas literárias da semana, o Realismo e o Naturalismo.


EXERCÍCIO 01
(...) havia no Lobo Neves certa dignidade fundamental, uma camada de rocha que resistia ao comércio dos homens. As outras, as camadas de cima, terra solta e areia, levou-lhe a vida, que é enxurro perpétuo. Se o leitor ainda se lembra do capítulo XXIII, observará que é agora a segunda vez que eu comparo a vida e um enxurro; mas também há de reparar que desta vez acrescento-lhe um adjetivo – perpétuo. E deus sabe a força de um adjetivo, principalmente em países novos e cálidos.

Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, obra publicada em 1881, apresenta traços de modernidade, que a fazem antecipadora da narrativa do século XX. Assinale a alternativa em que se enuncia um elemento do texto que não se caracterize como fator gerador dessa modernidade.

a) A reflexão crítica do narrador sobre o seu próprio discurso.
b) A prática da narração com um processo de autorrevisão.
c) O uso constante de comparações.
d) O estímulo à participação do leitor na dinâmica da composição da obra.
e) A paródia, como no último período, aos lugares-comuns da eloquência brasileira.

GABARITO: C
COMENTÁRIO DO LÉS: O exercício trabalha bem com as características de nosso maior escritor, Machado de Assis. No texto, aparece a reflexão crítica do narrador sobre seu próprio discurso e a prática da narração com um processo de autorrevisão ("agora a segunda vez que eu comparo a vida e um enxurro"), a paródia ("E deus sabe a força de um adjetivo, principalmente em países novos e cálidos".) e o estímulo à participação do leitor na dinâmica da composição da obra ("Se o leitor ainda se lembra do capítulo XXIII").


EXERCÍCIO 02
Leia os textos a seguir para responder adequadamente à questão 1.


João Romão não saía nunca a passeio, nem ia à missa aos domingos; tudo que rendia a sua venda e mais a quitanda seguia direitinho para a caixa econômica e daí então para o banco. Tanto assim que (...) tratou, sem perda de tempo, de construir três casinhas de porta e janela. (...)
                
E o fato é que aquelas três casinhas, tão engenhosamente construídas, foram o ponto de partida do grande cortiço de São Romão.
                
Hoje quatro braças de terra, amanhã seis, depois mais outras, ia o vendeiro conquistando todo o terreno que se estendia pelos fundos da sua bodega; e, à proporção que o conquistava, reproduziam-se os quartos e o número de moradores. (...)
                
Noventa e cinco casinhas comportou a imensa estalagem. (...)
                
As casinhas eram alugadas por mês e as tinas por dia; tudo pago adiantado. O preço de cada tina, metendo a água, quinhentos réis; sabão à parte. As moradoras do cortiço tinham preferência e não pagavam nada para lavar. (...)
                
E naquela terra encharcada e fumegante, naquela umidade quente e lodosa, começou a minhocar, a esfervilhar, a crescer, um mundo, uma coisa viva, uma geração, que parecia brotar espontânea, ali mesmo, daquele lameiro, e multiplicar-se como larvas no esterco. 
    
Aluísio Azevedo, O cortiço.

De acordo com Alfredo Bosi, Aluísio Azevedo, em O cortiço, ao falar dos mais humildes, “não [são] raras as comparações [que faz com] com vermes ou com insetos” (BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1997, p. 190). Levando isso em consideração e lembrando que o Naturalismo, do qual Aluísio era um expoente, procurava denunciar os aspectos degradantes da sociedade, assinale a alternativa correta.
 
a) Ao retratar o cortiço como um lugar em que os seres humanos são comparados a larvas no esterco, o autor os reduz ao nível animal, mostrando sua degradação.
b) Ao descrever o caráter recluso de João Romão, o texto apresenta uma característica típica do período em que foi escrito: falta de contato social.
c) Ao mostrar que as moradoras do cortiço pagavam, além do aluguel da casa, o aluguel das tinas para lavar roupa, o texto as mostra como pessoas civilizadas.
d) O nome do cortiço, “São Romão”, confirma a religiosidade de João Romão, que, mesmo trabalhando muito, não deixava nunca de ir à missa dominical.
e) O trecho confirma o caráter caridoso de João Romão, que sempre ajudava os moradores carentes do cortiço, deixando-os morar de graça.

GABARITO: A
COMENTÁRIO DO LÉS: Exercício típico do ENEM. um trecho conhecido de uma obra importante, com comentário crítico, cobrando características presentes no texto. Fique atento a este tipo de exercício.


 
l