Verso da Prosa #002: "O abraço", de Lygia Bojunga




Para ouvir ou baixar o Episódio nº 2 do Verso da Prosa, clique aqui.

Edição
Apresentadores
Leobaldo Prado.
Estéfani Martins.
Debatedores
Luciene Teixeira, professora de Redação.
Cirlei Garcia, professora de Literatura.
Presenças
Flávia Motta de Paula.
Jonathan Meireles.
Músicas
1 – Bon Iver – Bom Iver – Michicant
2 – The decemberists – The king is dead – Rox in the box
3 – Yo la tengo – Stuff like that there – Friday I’m in love
4 – Van Morrison – Blowin’ your mind! – Brown eyed girl
5 – The Smiths – The queen is dead – There is a light that never goes out
6 – The war on drugs – Lost in the dream – Eyes to the mind
7 – Simon & Garfunkel – Bridge over troubled water – The only living boy in New York
8 – Bill Fay – Life is people – There is a valley
9 – Caetano Veloso – Transa – You don’t know me
10 – Sufjan Stevens – Carrie & Lowell – Should have known better
11 – Marcelo Camelo – Toque dela – Ô ô
Referências teóricas
1 – Vermelho amargo – Bartolomeu Campos de Queirós.
2 – Alice no país das maravilhas – Lewis Carol (Charles Lutwidge Dodgson).
3 – A violência sexual e as questões de gênero no Brasil.
4 – A imagem do palhaço – James Ensor.
Ensor, James (1860-1949) pintor e gravador belga – 1890 – Intriga.
5 – Incidente em Antares – Érico Veríssimo.
6 – A volta do parafuso – Henry James.
7 – O abutre – Franz Kafka.
8 – Depus a máscara – Fernando Pessoa (Álvaro de Campos).
9 – Tabacaria – Fernando Pessoa (Álvaro de Campos).
Indicações
1 – Liberdade – Jonathan Franzen
2 – O elixir do diabo – Ernst Hoffmann
3 – O homem de areia – Ernst Hoffmann
3 – Casa da madrinha – Lygia Bojunga
4 – Síndrome de Estocolmo
5 – Repulsa ao sexo – Roman Polanski
6 – Willian Wilson – Edgar Allan Poe
Quadro – Pergunte à Literatura.
Paula Berbert – Onde está o amor nesses tempos de cólera??
Verso da Prosa – “Tudo tem o dedo do Imponderável. O impossível se transforma em possível, e o possível se torna um fracasso.
O que nos resta é perceber que a vida é muito curta para ter razão, mas vale é ter amor e perder a razão. Aquele que ama improvisa.” (Fabrício Carpinejar)

Não deixe de comentar e avaliar esta postagem. Precisamos SEMPRE do seu retorno. Desde já agradecemos.


 
l